Sabatina de Nestor Forster, indicado para Embaixada do Brasil nos EUA, entra na pauta do Senado

Compartilhe

A leitura do relatório que indica o nome do diplomata está marcada para esta quinta-feira (6) e a sabatina está prevista para acontecer na próxima reunião da comissão, no dia 13

Divulgação/ItamaratyO diplomata Nestor Forster

Após o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) desistir da indicação ao posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o nome do diplomata Nestor Forster foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar o cargo. Ao abrir os trabalhos nesta terça-feira (4), a Comissão de Relações Exteriores (CRE), no Senado Federal, incluiu na pauta a leitura do relatório que indica Forster ao cargo.

A leitura está marcada para esta quinta-feira (6) e a sabatina de Forster está prevista para acontecer na próxima reunião da comissão, no dia 13, conforme confirmou a CRE à Jovem Pan. O presidente da comissão, senador Nelsinho Trad (PSD-MS) é o relator.

O nome de Forster já era cotado para o cargo até o presidente Jair Bolsonaro optar por indicar seu filho Eduardo. Porém, após meses de indecisão, Eduardo desistiu da indicação durante discurso no plenário da Câmara dos Deputados.

“Esse aqui que vos fala, filho de militar do Exército brasileiro e deputado federal, zombado por ter aos 20 anos de idade um trabalho digno e honesto em restaurante fast-food nos Estados Unidos, diz que fica no Brasil para defender os princípios conservadores, para fazer o tsunami que foi a eleição de 2018, uma onda permanente. Assim, me comprometo a caminhar por São Paulo, pelo Brasil e pelo povo”, disse o deputado em outubro.

A indicação de Eduardo havia sido criticada e alguns parlamentares apontavam irregularidades na possível ocupação do cargo pelo filho do presidente.

O deputado, à época, chegou a afirmar que havia “fritado hambúrguer lá nos Estados Unidos” e defendeu sua indicação. Eduardo havia completado 35 anos, idade mínima para um brasileiro assumir uma representação diplomática no exterior, na época de sua indicação.

Forster, no entanto, é considerado um diplomata de carreira, citado como “ministro de Primeira Classe da Carreira de Diplomata do Ministério das Relações Exteriores” no relatório da CRE, é formado em Letras e História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e amigo de Olavo de Carvalho, principal ideólogo do governo Bolsonaro.

O diplomata recebeu sua última promoção no ano passado, e passou a atuar como “encarregado de negócios” na Embaixada do Brasil em Washington. Anteriormente, também na Embaixada, Forster atuou como ministro-conselheiro. Entre 2001 e 2002, ele exerceu o cargo de chefe de gabinete da Advocacia-Geral da União e também foi assessor, em 2002, da Casa Civil.