Presidente de Honduras recebeu dinheiro de ‘El Chapo’, diz promotor dos EUA

Compartilhe

O presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, recebeu milhões de dólares em subornos de traficantes de drogas – incluindo do mexicano Joaquín “El Chapo” Guzmán –, afirmou nesta quarta-feira (2) o promotor Jason Richman, de Nova York (Estados Unidos).

Nesta noite, o presidente Hernandez afirmou que a acusação é “100% falsa, absurda e ridícula”, segundo a agência Reuters.

A acusação foi feita no início do julgamento de Juan Antonio “Tony” Hernández Alvarado, irmão do presidente hondurenho, em um tribunal de Manhattan.

Tony é acusado de homicídio, tráfico de drogas, posse ilegal de armas de fogo e de mentir para as autoridades. Ele está preso há um ano nos EUA e enfrenta uma pena de cinco anos de prisão à perpétua.

“O mais importante: o acusado era protegido pelo atual presidente (de Honduras), que recebeu milhões de dólares em subornos de narcotraficantes, como Chapo Guzmán, que pessoalmente entregou R$ 1 milhão ao acusado para seu irmão”, afirmou o promotor nos argumentos iniciais.

 Joaquín 'El Chapo' Guzmán em foto de 19 de janeiro de 2017 — Foto: United States Drug Enforcement Administration via AP Joaquín 'El Chapo' Guzmán em foto de 19 de janeiro de 2017 — Foto: United States Drug Enforcement Administration via AP

Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán em foto de 19 de janeiro de 2017 — Foto: United States Drug Enforcement Administration via AP

Segundo Richman, o réu integrava “uma organização patrocinada pelo Estado que distribuiu cocaína durante anos” nos Estados Unidos visando embolsar milhões de dólares, e que era protegida por uma rede de funcionários hondurenhos corruptos, entre eles “prefeitos, legisladores, generais das Forças Armadas e chefes da polícia”.

Richman também acusou Tony de ordenar ao menos dois assassinatos de narcotraficantes entre 2011 e 2013.

O narcotraficante “El Chapo”, mencionado pelo promotor, foi condenado à prisão perpétua por um tribunal federal de Nova York, em julho. O mexicano recebeu 10 acusações, e a Justiça o considerou culpado em todas elas.

Narcotráfico em Honduras

A promotoria norte-americana afirma que o dinheiro do narcotráfico enriqueceu o réu e financiou as campanhas de vários candidatos do Partido Nacional, incluindo a do ex-presidente Porfirio Lobo (2010-2014) e a de Juan Orlando Hernández, eleito em 2013 e reeleito em 2017.

Um narcotraficante que coopera com as autoridades afirmou que o presidente Hernández recebeu ao menos US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 6,2 milhões) para sua primeira campanha, e um milhão de lempiras (cerca de R$ 170 mil) para a segunda.

A promotoria diz que provará que Lobo e Juan Orlando Hernández são co-autores e que ambos foram eleitos presidentes graças ao dinheiro do tráfico de droga.